Estilo de vidaRedes Sociais

Maior usina nuclear da Ucrânia causa preocupação mundial

fotos e imagens Maior usina nuclear da Ucrânia

As autoridades ucranianas informaram a AIEA que um incêndio ocorreu no local da maior usina nuclear da Ucrânia durante um suposto ataque russo (AIEA). Após ser extinto, o incêndio na usina nuclear de Zaporizhzhia não afetou os sistemas de segurança do reator. A AIEA declarou nas primeiras horas de 4 de março que os níveis de radiação na instalação não haviam mudado.

Pelo relato da agência, o incêndio foi provocado por um míssil atingindo um centro de treinamento próximo a um dos reatores da usina. No caso de uma invasão russa, este episódio levantou novas questões sobre a vulnerabilidade das instalações nucleares da Ucrânia. A guerra nunca eclodiu em uma região tão dependente de energia nuclear antes. A Ucrânia conta com quatro usinas nucleares com um total de 15 reatores para mais da metade de sua energia, todos os quais estão atualmente em risco. Zaporizhzhia abriga seis dos reatores em questão.

A integridade física de uma usina nuclear deve ser mantida e mantida em segurança em todos os momentos quando projéteis são disparados nas proximidades da instalação.

O status da usina nuclear de Zaporizhzhia e o que ocorreu lá durante a noite me preocupam muito. O diretor-geral da AIEA, Rafael Mariano Grossi, observou em um comunicado à imprensa em 4 de março que disparar projéteis nas proximidades de uma usina nuclear “viola o princípio básico de que a integridade física das instalações nucleares deve ser preservada e mantida em segurança o tempo todo”.

Danos aos sistemas elétricos e de refrigeração da planta podem ter resultado do incêndio, o que poderia ter resultado em colapsos catastróficos. Para evitar emissões radioativas, os reatores devem ser mantidos a uma temperatura constante. Não há mais reatores operando em Zaporizhzhia como resultado da invasão russa da Ucrânia. Reduz a quantidade de energia e água necessária para manter sua temperatura. De acordo com a AIEA, outros reatores estão funcionando com capacidade reduzida ou em “modo de baixa potência”. Os sistemas de refrigeração de todos os reatores nucleares, incluindo aqueles que foram desligados, precisam de eletricidade da rede ou de alguma fonte externa.

Um “fogo fora de controle” é um dos riscos mais sérios para uma usina nuclear, de acordo com Edwin Lyman, chefe de segurança de energia nuclear da União de Cientistas Preocupados. Os sistemas de controle e segurança da planta podem ser comprometidos se os fios elétricos forem cortados.

Um dos maiores perigos para uma usina nuclear é um incêndio fora de controle, de acordo com este especialista.

Mesmo se os sistemas de resfriamento de uma usina nuclear falharem, um colapso catastrófico do combustível nuclear ainda é improvável. Quando se trata de manter a segurança dos reatores, pode ser possível depender de alternativas como geradores a diesel ou bombas de água móveis. No entanto, a acessibilidade do local durante os combates e incêndios também desempenhará um papel.

À medida que as condições continuam a se deteriorar, “o cenário inevitavelmente permanece altamente estressante e difícil”, observou Grossi hoje. Por enquanto, os reguladores não podem acessar todo o site para fazer uma auditoria completa do sistema.

A segurança dos funcionários da Zaporizhzhia é uma questão importante no momento. Apesar do fato de a Rússia controlar o site, ele é administrado por funcionários comuns. A segurança da planta depende de sua segurança e capacidade de concentração em seu trabalho. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) revelou que duas pessoas ficaram feridas durante a noite. Em uma entrevista coletiva em 2 de março, Grossi afirmou que a cidade onde reside a maioria dos trabalhadores da fábrica provavelmente está sob controle russo. Desde o início da semana, há uma batalha acirrada pelo controle da região ao redor da instalação.

Esta semana, a Ucrânia solicitou “ajuda urgente” da AIEA para garantir a segurança de suas instalações nucleares, inclusive solicitando que a OTAN proibisse o acesso ao espaço aéreo nessas instalações. A Ucrânia foi negada. Interrupções na rede e ataques com armas, de acordo com a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) e especialistas com quem The Verge conversou, representam os maiores perigos para reatores nucleares e piscinas de resfriamento. 3 de março declaração da Agência Intergovernamental para Pesquisa Nuclear, a AIEA continua a discutir com a Ucrânia e outros sobre a melhor forma de ajudá-los.

Um dos maiores desastres nucleares da história ocorreu em Chernobyl, uma usina nuclear na Ucrânia, em 1986, quando um reator explodiu. Na semana passada, a Rússia assumiu o controle de Chernobyl. A Energoatom, empresa nacional de energia nuclear da Ucrânia, alertou em 3 de março que os trabalhadores estão sob “tensão psicológica e cansaço moral”.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.